lembre disso joaninha

Como bem escreveu o Pádua no Manifesto Nartisan: “Mexa essa bunda gorda e crie suas redes. Encontre os instrumentos alternativos e crie as táticas de que precisa. Seja um camaleão tecnológico. Um ciborgue movido pela própria poesia”. Liberte-se e faça o que a sua alma pede. O mundo agradece.

Em choque

Happy Bokeh Traffic, por kevindooley, CC

Choque, susto, medo. Paralisia. Perda

O resultado foi o coração partido em milhares de pedaços.

E agora Maricota? Há que viver com seus atos, aprender com o erro.

Não há saída a não ser seguir em frente e tentar confiar na vida.

Homenagem, memória, registro

parachutebeetle

Ganhei mais uma joaninha. voadora como tenho sido nas últimas semanas.

voa, joaninha, voa.

Encontra teus amigos nas paradas.

E lembra do amigo Marco Cesana que ontem se foi. Na plenitude dos 44, em meio à mais intensa produção. Menos um ser humano bacana no mundo. Mais um rombo no coração de muitos.

De quantos buracos e dores se faz uma vida?

I miss Lina

Tomorrow is my birthday. And I’ve Just received a post card from Lina, now in Seattle again, with good news. I went again to her facebook photos to remember last Easter, when she was here. Missing Lina. Although she is only a click away. More than I miss my two other distant friends, who write and talk to me all the time on twitter or gtalk…

Lina, I miss you.

Lina, I’m kind of happy.

And I miss long breakfasts with you.

Sonhos de uma noite de quase verão

Dias intensos marcados pelo recolhimento, por uma melancolia desconhecida e o desejo de esquecer. Estes foram os quatro últimos dias. Ontem, entretanto, atravessei a noite e retomei o ritmo. Trabalhei intensamente e a vida me invadiu. Dormi cedo e a noite bem dormida trouxe muitos insights:

  • A “moral protestante” pela qual andei me guiando, deixando alegria e delícia de lado não tem o menor sentido
  • Estou decepcionada comigo por não ter cumprido a minha meta financeira, de chegar ao final deste ano no azul, apesar de muitos esforços (e chego à conclusão que isso deveu-se, principalmente, ao item anterior)
  • Sonhei com a minha “primeira amiga”, a Verô. Seu rosto maduro me acordou no comecinho da madrugada, me trouxe de volta a vontade de estar mais perto dos amigos que me acompanharam a vida toda: Luciano e Dine; Sueli; Domingues e Renata; Eugênia. Pessoas de verdade, sem blog, com vidas outras.
  • Lembrei que mais que invejar é preciso fazer. Não adianta nada odiar alguém que fez a sua idéia se você simplesmente não a colocou no ar.
  • As minhas “personas” – as máscaras que uso para estar no mundo e cumprir os meus “mandatos” estão desmoronando. Não é à toa que desejo ficar só.

Este blog segue um refúgio, um consolo, um oásis. Adoro poder registrar aqui o que não escrevo nem no caderno da terapia.