(Quase) ninguém se salva

Gente! Não liguei o computador o dia todo. São 22h30 e me atrevo a entrar para ver se havia alguma mensagem interessante. 59 e-mails me aguardavam no servidor. Destes, somente 51 chegaram à minha caixa postal (8 spams imediatamente exterminados pelo Thunderbird). Dos 51 restantes, nenhum interessava.
Ninguém merece! Não havia nenhuma informação interessante para matérias. Só informações irrelevantes, mais xingamentos ao governo. Restou um único, mas este foi de ontem: o e-mail da Amanda bendizendo os amigos. E só!!!

Preguiça triste

Faz falta o grupo. Sem os anatômicos quase perco o gás.
Tá duro viver, seguir em frente. Um silêncio enorme me enche, preenche.
E o blog vai sofrendo de falta de notícias.
Enquanto no mundo lá fora o fluxo se mantém, intenso, constante.

Pra quê lutar?

Explosões continuam – no Cairo, em Londres, em Bagdá
A tristeza de uma trabalheira infinda
Saber da mudança não facilita a vida
Conhecer o movimento só faz com que a gente conheça a direção
O sentido, cadê o sentido.
Sentida, me sento e escrevo. Faço álbum, recrio uma história, reescrevo mil vezes o mesmo micro texto.
Tanto pra contar, tanta preguiça! Vem a voz: você tem que pagar as contas, pague as contas, pague as contas
E tudo perde o sentido
As pequenas invenções que ficam na cabeça
As vãs tentativas de fazer trabalho florescer
Tudo parece vazio, vazio.
Escorrego pelo viver, me entrego ao movimento

Reiki santo!

A Sueli veio aqui em casa e fez uma sessão de Reiki caprichadinha. Tô nova. A agonia foi embora, me achei, já posso respirar tranqüila. Para quem não sabe, o Reiki é um sistema simples e profundo, de cura natural através da imposição das mãos , reconhecido desde 1962 pela Organização Mundial de Saúde como prática terapêutica que contribui para o bem estar da humanidade. Foi desenvolvido por Mikao Usui que viveu no Japão durante o século XIX. Tecnicamente falando o Reiki pode ser considerado como um dos muitos métodos e sistemas que fazem parte da família Qigong, usados para activar, harmonizar e (re)ligar o nosso Ser à Energia Vital Universal, e parece ter tido as suas raízes no Shintoísmo e Budismo.