Como a gente se arranja nessa vida?

As ligações, as relações, os afetos.
Como dá conta dos tremores, dos humores, das irritações?
É tanta coisa – Tudo ao mesmo tempo agora. A coluna por levantar, os assessores que não assessoram, o texto que se quer poesia e vira pó, o amor que partiu e deixou luto, a morte que vira cinza e me espera no crematório da vila Alpina…
dava pra continuar até o infinito. Acabo de descobrir que em abril será possível observar Saturno e Plutão bem de pertinho. Imagino como parecem, ao vivo, os anéis do senhor do tempo. Que rosto tem Plutão através das lentes?

Posted by Hello

Tchau, Nestor

Não, sim. Sim, não. O amor, o tesão, os encontros, os homens que encontramos na vida. Me reencontrei comigo mesma no livro de Gisela Rao. Vale cada linha, mas o melhor é o fim, de Hermann Hesse:
“O coração precisa estar, em cada patamar da vida, predisposto à despedida e a novo início para, na coragem e sem pesar, entregar-se a outras novas ligações. E em todo começo reside uma magia que nos protege e nos ajuda a viver. O Espírito Universal não nos quer prender e limitar: quer erguer-nos degrau a degrau, quer nos ampliar.”

Disparado por Tchau, Nestor, de Gisela Rao, ed. Matrix